• Envie para um amigo

    Favor Preencher
    Favor Preencher
    Insira um Email Válido
Artigo

Calvino: “a piedade é o modo de glorificar a Deus”

Joel Beeke 29 de Outubro de 2014 - Vida Cristã

As Institutas de João Calvino têm-lhe garantido o título “a preeminente sistematização da Reforma Protestante”. Sua reputação de intelectual, entretanto, é frequentemente vista à parte do vital contexto espiritual e pastoral, no qual ele desenvolveu sua teologia. Para Calvino, compreensão teológica e piedade prática, verdade e utilidade, são inseparáveis. Antes de tudo, a teologia trata do conhecimento – conhecimento de Deus e de nós próprios –, mas não existe verdadeiro conhecimento onde não existe verdadeira piedade.

O conceito que Calvino tinha de piedade (pietas) está radicado no conhecimento de Deus e inclui atitudes e ações que são direcionadas à adoração e serviço a Deus. Além disso, sua pietas inclui um grande volume de temas correlatos, tais como piedade filial nas relações humanas, e respeito e amor para com a imagem de Deus nos seres humanos. A piedade de Calvino é evidente nas pessoas que reconhecem, através da fé experiencial, que fomos aceitos em Cristo e enxertados em Seu corpo pela graça de Deus. Nesta “união mística”, o Senhor os reivindica como propriedade na vida e na morte. Tornam-se o povo de Deus e membros de Cristo pelo poder do Espírito Santo. Esta relação restaura sua alegria de comunhão com Deus; ela recria suas vidas.

O propósito deste capítulo é mostrar que a piedade de Calvino é fundamentalmente bíblica, com ênfase no coração mais do que na mente. Cabeça e coração devem trabalhar juntos, mas o coração é mais importante.[1] Após uma olhada introdutória na definição e alvo da piedade no pensamento de Calvino, mostrarei como sua pietas afeta as dimensões teológica, eclesiástica e prática de seu pensamento.

Definição e importância da piedade

Pietas é um dos maiores temas da teologia de Calvino. Sua história é, no dizer de John T. McNeill, “sua piedade descrita por extenso”.[2] Ele é determinado em confinar a teologia dentro dos limites da piedade.[3] Em seu prefácio dirigido ao rei Francisco I, Calvino diz que o propósito de escrever as Institutas era “unicamente transmitir certos rudimentos pelos quais os que são tocados com algum zelo pela religião fossem moldados à verdadeira piedade [pietas].”[4] Para Calvino, pietas designa a atitude correta do homem para com Deus.

Esta atitude inclui conhecimento genuíno, culto sincero, fé salvífica, temor filial, submissão no espírito de oração e amor reverente.[5] Conhecer quem e o que é Deus (teologia) é abraçar atitudes corretas para com Ele e fazer o que Ele quer (piedade). Em seu primeiro catecismo, Calvino escreve: “A verdadeira piedade consiste em um sincero sentimento que ama a Deus como Pai, enquanto O teme e O reverencia como Senhor, abraça Sua justiça e teme ofendê-Lo mais que a morte.”[6] Nas Institutas, Calvino é mais sucinto: “Chamo ‘piedade’ aquela reverência unida ao amor de Deus ao qual o conhecimento de seus benefícios induz.”[7] Este amor e reverência para com Deus é um concomitante necessário a qualquer conhecimento dEle e abarca toda a vida. No dizer de Calvino, “Toda a vida dos cristãos deve ser uma espécie de prática da piedade.”[8] Ou, como afirma o subtítulo da primeira edição das Institutas, “Abarcando quase toda a suma da piedade e tudo quanto é necessário saber da doutrina da salvação: Uma obra mui digna de ser lida por todas as pessoas zelosas pela piedade.”[9]

Os comentários de Calvino também refletem a importância da pietas. Por exemplo, ele escreve em 1 Timóteo 4.7,8: “Mas rejeita as fábulas profanas e de velhas caducas. Exercita-te, pessoalmente, na piedade. Pois o exercício físico para pouco é proveito, mas a piedade para tudo é proveitosa, porque tem a promessa da vida que agora é e da que há de ser.”[10] Comentando 2 Pedro 1.3, ele diz: “Visto como, pelo seu divino poder, nos têm sido doadas todas as coisas que conduzem à vida e à piedade, pelo conhecimento completo daquele que nos chamou para sua própria glória e virtude.”[11]

O supremo alvo da piedade: soli deo gloria

O alvo da piedade, bem como de toda a vida cristã, é a glória de Deus – glória que esplende nos atributos de Deus, na estrutura do mundo e na morte e ressurreição de Jesus Cristo.[12] Glorificar a Deus excede a salvação pessoal de cada pessoa realmente piedosa.[13] Calvino escreve assim ao Cardeal Sadoleto: “Não pertence à sã teologia confinar em demasia os pensamentos de um homem em si próprio, e não pôr diante dele, como motivo primário de sua existência, o zelo de magnificar a glória de Deus... Estou convencido, pois, que ninguém há imbuído de genuína piedade, que não considere insípida aquela tão longa e áspera exortação ao zelo da vida celestial, zelo este que mantém um homem inteiramente devotado a si próprio, e que, mesmo por uma só expressão, não o eleve a santificar o nome de Deus.”[14]

O propósito da nossa criação é que Deus seja glorificado em nós, o alvo da piedade. E assim a aspiração dos regenerados é viver o resto de seus dias segundo o propósito de sua criação original.[15] O homem piedoso, segundo Calvino, confessa: “Somos de Deus: vivamos, pois, para ele e morramos para ele. Somos de Deus: então que sua sabedoria e vontade governem todas as nossas ações. Somos de Deus: que todas as partes de nossa vida se empenhem concomitantemente em prol dele como nosso único alvo legítimo.”16

Deus redime, adota e santifica Seu povo para que Sua glória resplandeça neles e os livre de uma ímpia busca egoísta.[17] Portanto, a mais profunda preocupação do homem piedoso é o próprio Deus e as coisas de Deus – a Palavra de Deus, a autoridade de Deus, o evangelho de Deus, a verdade de Deus. Ele aspira conhecer mais de Deus e a comunicar-se mais com Ele.

Mas, como glorificamos a Deus? Calvino escreve: “Deus já nos prescreveu um modo no qual Ele será glorificado por nós, a saber, a piedade, que consiste na obediência à Sua Palavra. Aquele que excede estes limites não consegue honrar a Deus, mas, ao contrário, O desonra.”[18] Obediência à Palavra de Deus significa buscar refúgio em Cristo para o perdão de nossos pecados, conhecê-Lo através de Sua Palavra, servi-Lo com um coração amoroso, realizar boas obras como gratidão por Sua bondade e exercer uma abnegação que chega ao ponto de amarmos nossos inimigos.[19] Esta resposta envolve uma total rendição a Deus mesmo, à Sua Palavra e à Sua vontade.[20]

Calvino declara: “Eu ofereço a Ti meu coração, ó Senhor, pronta e sinceramente.” Esta é a aspiração de todos quanto são realmente piedosos. Entretanto, esta aspiração só pode ser concretizada através da comunhão com Cristo e a participação nEle, pois fora de Cristo, mesmo a pessoa mais religiosa, vive para si mesma. Somente em Cristo, os pios podem viver como servos voluntários de seu Senhor, fiéis soldados de seu Comandante e obedientes filhos de seu Pai.[21]

Notas:

1 - Serene Jones, Calvin and the Rhetoric of Piety (Louisville: Westminster/John Knox Press, 1995). Infelizmente, Jones exagera o uso que Calvino fazia da retórica no serviço da piedade.
2 - Citado em John Hesselink, “The Development and Purpose of Calvin’s Institutes”, in Articles on Calvin and Calvinism, vol. 4, Influences upon Calvin and Discussion of the 1559 Institutes, ed. Richard C. Gamble (Nova York: Garland, 1992), 215-16.
3 - Ver Brian A. Gerrish, “Theology within the Limits of Piety Alone: Schleiermacher and Calvin’s Doctrine of God” (1981), reimpresso em The Old Prestantism and the New (1982), cap. 12.
4 - Jonhn Calvin, Institutes of the Christian Religion [doravante, Inst.], ed. John T. McNeill e traduzido por Ford Lewis Battles (Filadélfia: Westminster Press, 1960), 1:9.
5 - Cf. Lucien Joseph Richard, The Spirituality of John Calvin (Atlanta: John Knox Press, 1974), 100-101; Sou-Young Lee, “Calvin’s Understanding of Pietas”, in Calvinus Sincerioris Religonis Vindex, ed. W.H. Neuser & B.G. Armstrong (Kirksville, Mo.: Sixteenth Century Studies, 1997), 226-33; H.W. Simpson, “Pietas in the Institutes of Calvin”, Reformational Tradition: A Rich Heritage and Lasting Vocation (Potchefstroom: Potchefstroom University for Christian Higher Education, 1984), 179-91.
6 - John Calvin: Catechism 1538, editado e traduzido por Ford Lewis Battles (Pittsburgh: Pittsburgh Theological Seminary), 2.
7 - Inst., Livro 1, capítulo 2, seção 1. Doravante se usará o formato 1.2.1. 8 Inst. 3.19.2.
8- Inst. 3.19.2.
9 - Institutes of the Christian Religion: 1536 Edition, trans. Ford Lewis Battles, rev. ed. (Grand Rapids: Eerdmans, 1986). O título latino original reza: Christianæ religionis institution total fere pictatis summam et quidquid est in doctrina cognitu necessarium complectens omnibut pietatis studiosis lectu dignissimum opus ac recens editum (Joannis Calvini opera selecta, ed. Peter Barht, Wilhelm Niesel, e Dora Scheuner, 5 vols. [Munich: Chr. Kaiser, 1926-52], 1:19 [doravante, OS]. Desde 1539, os títulos passaram a ser simplesmente Institutio Christianæ Religionis, mas o “zelo pela piedade” continuou a ser uma grande meta da obra de Calvino. Ver Richard A. Muller, The Unaccommodated Calvin: Studies in the Foudation of a Theological Tradition (Nova York: Oxford University Press, 2000), 106-107.
10 - Calvin’s New Testament Commentaries, ed. David W. Torrance and Thomas F. Torrance, 12 Vols. (Grand Rapids: Eerdmans, 1959-72), The Second Epistle of Paul the Apostle to the Corinthians, and the Epistles to Rimothy, Titus and Philemon, trans. Thomas A. Smail (Grand Rapids: Eerdmans, 1964), 243-44. Doravante, Commentary [on text].
11 - Para as raízes da piedade de Calvino, ver William J. Bouwsma, “The Sirituality of John Calvin”, in Christian Spirituality: High Middle Ages and Reformation, ed. Jill Raitt (Nova York: Crossroad, 1987), 318-33.
12 - Inst. 3.2.1; Calvin, Ioannis Calvini opera quæ supersunt omnia, ed. Willelm Baum, Edward Cunitz, e Edward Reuss, Corpus Reformatorum, vols. 29-87 (Brunsvigæ: C.A. Schwetschke and Son, 1863-1900), 43:428, 47:316. Doravante, CO.
13 - CO 26:693.
14 - OS 1:363-64.
15 - CO 24:362.
16 - Inst. 3.7.1.
17 - CO 26:225; 29:5; 51:147.
18 - CO 49:51.
19 - CO 26:166, 33:185, 47:377-78, 49:245, 51:21.
20 - CO 6:9-10.
21 - CO 26:439-40.

Hits: 38877


O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

Receba nossas Notificações



Joel Beeke
Autor Joel Beeke

Joel Beeke é presidente e professor de teologia sistemática no Puritan Reformed Theological Seminary (EUA) e pastor da Heritage Netherlands Reformed...