• Envie para um amigo

    Favor Preencher
    Favor Preencher
    Insira um Email Válido
Artigo

A Confusão a Respeito do Milênio

Keith Mathison 05 de Junho de 2014 - Teologia

Certa vez ouvi alguém definir o milênio como um período de mil anos durante os quais os cristãos brigarão por uma interpretação apropriada do livro de Apocalipse. Embora seja engraçada, essa definição está obviamente incorreta. Os cristãos têm discutido sobre a interpretação adequada do livro de Apocalipse por dois mil anos. Em toda a seriedade, contudo, toda a discussão levou alguns cristãos a adotarem desesperadamente uma posição que eles chamam de pan-milenismo (nós não sabemos qual visão do milênio está correta, mas sabemos que tudo vai ficar bem no final).

A palavra milênio se refere aos “mil anos” mencionados em Apocalipse 20. Visto que esse capítulo é encontrado em um dos mais difíceis livros do Novo Testamento, sua interpretação adequada é polêmica. Como resultado, existem quatro visões principais do milênio defendidas na igreja hoje: pré-milenismo histórico, pré-milenismo dispensacionalista, amilenismo e pós-milenismo. Os prefixos pré- e pós- antes da palavra milênio têm a ver com o momento da segunda vinda de Cristo em relação ao próprio milênio. O termo pré-milenismo se refere à crença de que a Segunda Vinda ocorrerá antes do milênio. O termo pós-milenismo se refere à crença de que a Segunda Vinda ocorrerá após o milênio. Na verdade, o amilenismo é uma versão do pós-milenismo nesse sentido, porque os amilenistas creem que a segunda vinda de Cristo ocorrerá após o milênio. Há outras diferenças que distinguem os amilenistas dos pós-milenistas. Um entendimento de quais propostascada uma dessas visões têm ensinado historicamente fornece um contexto útil para atuais discussões sobre Apocalipse 20.

Pré-milenismo Histórico

O pré-milenismo histórico ensina que no fim do presente século haverá uma grande tribulação seguida pela segunda vinda de Cristo. Na vinda de Cristo, o Anticristo será julgado, os justos serão ressuscitados, Satanás será preso e Cristo estabelecerá o seu reino na terra, o que durará mil anos e será um tempo de bênção sem precedentes para a igreja. No fim do milênio, Satanás será solto e instigará uma rebelião, que será rapidamente subjugada. Nesse momento, os injustos serão ressuscitados para o julgamento, e o estado eterno terá início.

O pré-milenismo histórico teve seus proponentes na igreja desde pelo menos o segundo século DC em diante. Foi ensinado, por exemplo, por Ireneu (140-203) e Justino Mártir (100-165), e pode ter sido ensinado no final do primeiro século por Papias (80-155). Alguns dentro da tradição reformada, como James Montgomery Boice, ensinaram essa visão. O mais notável proponente do pré-milenismo histórico no século vinte foi George Eldon Ladd, cujos comentários no livro do Apocalipse argumentam fortemente em favor dessa posição.

Pré-milenismo Dispensacionalista

O pré-milenismo dispensacionalista oferece a mais complexa cronologia do fim dos tempos. De acordo com o dispensacionalismo, o presente século terminará com o arrebatamento da igreja, que, junto com a aparição do Anticristo, marca o início dos sete anos da grande tribulação na terra. A tribulação terminará com a batalha do Armagedom, no meio da qual Cristo retornará para destruir os seus inimigos. As nações serão, então, reunidas para o julgamento. Aqueles que apoiaram Israel entrarão no reino milenar de Cristo, e o resto será lançado no Hades para aguardar o último julgamento. Cristo sentará no trono de Davi e governará o mundo a partir de Jerusalém. Israel receberá lugar de honra entre as nações novamente. O templo terá sido reconstruído e os sacrifícios do templo serão instituídos novamente como sacrifícios memoriais. No fim do milênio, Satanás será solto e liderará os incrédulos em rebelião contra Cristo e a Nova Jerusalém. A rebelião será subjugada através de fogo dos céus, e Satanás será lançado no lago de fogo. Os perversos serão trazidos diante do Grande Trono Branco, julgados e lançados no lago de fogo; e nesse ponto começará o estado eterno.

A versão dispensacionalista foi originada no século dezenove dentro do Movimento Brethren. Suas características aparecem pela primeira vez nos escritos de John Nelson Darby (1800-1882). O pré-milenismo dispensacionalista se popularizou rapidamente nos Estados Unidos através do movimento chamado de Bible Conference Movement. Foi popularizado por C.I. Scofield nas notas de sua Bíblia de referência e sistematizado por Lewis Sperry Chafer, o fundador do Dallas Theological Seminary e autor de um texto de teologia sistemática dispensacionalista de oito volumes. No século vinte, essa visão foi ensinada em um nível mais acadêmico por homens como John Walvoord, Charles Ryrie e J. Dwight Pentecost, e foi popularizado por escritores como Hal Lindsey e Tim LaHaye.

Pós-milenismo

O pós-milenismo ensina que os “mil anos” de Apocalipse 20 ocorrem antes da segunda vinda de Cristo. Até recentemente, a maioria dos pós-milenistas ensinavam que o milênio seriam os últimos mil anos do presente século. Hoje, muitos pós-milenistas ensinam que a era do milênio é todo o período entre o primeiro e o segundo advento de Cristo. Como veremos, isso significa que versões contemporâneas do pós-milenismo são muito próximas em muitas maneiras ao amilenismo contemporâneo. A principal diferença entre os dois não é tanto o momento do milênio, mas a natureza do milênio. Em geral, o pós-milenismo ensina que no presente século, o Espírito Santo atrairá multidões sem precedentes para Cristo através da fiel pregação do evangelho. Entre as multidões que serão convertidas estão os israelitas étnicos que, até então, rejeitaram o Messias. No fim do presente século, Cristo retornará, haverá uma ressurreição geral dos justos e injustos, e o julgamento final acontecerá.

O pós-milenismo foi defendido amplamente entre os puritanos. Ele também foi a visão dominante entre teólogos reformados dos séculos dezoito e dezenove. Foi ensinado, por exemplo, por homens como Jonathan Edwards, Charles Hodge, James Henley Thornwell, A.A. Hodge e B.B. Warfield. Por terem os liberais adotado uma versão humanista dessa escatologia, o pós-milenismo sofreu um declínio no século vinte, mas tem sido visto um ressurgimento nos últimos vinte ou trinta anos. Livros que apoiam essa visão foram publicados por homens como Loraine Boettner, J. Marcellus Kik, Kenneth Gentry, John Jefferson Davis e eu mesmo.

Amilenismo

O amilenismo vê Apocalipse 20 como uma descrição do reino de Cristo com o santos ao longo de todo o presente século. Alguns amilenistas enfatizam o reino de Cristo com os santos nos céus, enquanto outros ensinam que esse reino também está conectado com a igreja militante aqui na terra. Amilenistas tendem a argumentar que o crescimento do reino de Cristo possui poucas, se é que possui, manifestações visíveis. O foco está mais no sofrimento pelo qual Cristo indicou que a igreja passaria. De acordo com o amilenismo, o presente século milenar, que é caracterizado pelo sofrimento, será seguido pela segunda vinda de Cristo, a ressurreição geral, o último julgamento e os novos céus e nova terra.

O amilenismo também tem sua origem na igreja primitiva. Agostinho (354-430) ensinou uma versão do amilenismo que influenciou a igreja ao longo da Idade Média até a Reforma. Dentro da tradição reformada, a versão contemporânea do amilenismo começou a se distinguir das antigas formas de pós-milenismo no final do século dezenove e início do século vinte. O teólogo do século dezenove Herman Bavinck, por exemplo, foi um convicto proponente do amilenismo. No século vinte, a visão foi ensinada por teólogos como Geerhardus Vos, Louis Berkhof, Anthony Hoekema, Cornelis Venema, Kim Riddlebarger e Sam Storms. Alguns amilenistas contemporâneos não gostam do termo amilenismo porque o prefixo a- significa “não” ou “sem”, então amilenismo significa literalmente “sem milênio”. Um amilenista, Jay Adams, sugeriu o termo “milenismo realizado” no lugar.

Conclusão

As versões de pós-milenismo que reconhecem o milênio como sendo um símbolo de todo o presente século diferem em apenas poucos aspectos do amilenismo. Pré-milenistas, como George Ladd, que entendem que o reino de Cristo já foi inaugurado em conexão com os eventos do primeiro advento de Cristo estão mais próximos do que podemos perceber dessas formas de pós-milenismo e amilenismo. Todos nós deveríamos separar um tempo para entender as visões daqueles de quem discordamos e entender os argumentos bíblicos que eles utilizam. Nós podemos ainda assim não concordar. Há muito mais trabalho exegético a ser feito antes que qualquer esperança de consenso seja possível, mas deveria nos encorajar o fato do trabalho estar sendo feito por teólogos bíblicos e sistemáticos. Apesar das discordâncias remanescentes, podemos nos alegrar com o fato de que todos concordamos que Jesus está vivo e que foi dada a ele toda autoridade nos céus e na terra.

Tradução: Alan Cristie

Hits: 81068


O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

Receba nossas Notificações



Keith Mathison
Autor Keith Mathison

Dr. Keith Mathison é editor associado da Tabletalk magazine, deão e professor de Teologia Reformada na Reformation Bible College em...



Ministério Ligonier
Parceiro Ministério Ligonier

O ministério Ligonier, fundado pelo pastor R.C. Sproul, tem como objetivo principal apresentar fielmente a verdade das Escrituras, através de cursos,...

Produtos Relacionados