• Envie para um amigo

    Favor Preencher
    Favor Preencher
    Insira um Email Válido
Artigo

Abusadores sexuais: como a igreja deve lidar com eles

Sean Michael Lucas 26 de Janeiro de 2017 - Vida Cristã

Esse é um cenário de pesadelo para todos os envolvidos: um homem liga para o seu pastor em lágrimas e solicita uma reunião o mais rápido possível. Trinta minutos depois, ele está no escritório do pastor, confessando que sua esposa o pegou tocando sua filha de 13 anos de forma sexual. Ele parece completamente perturbado, até que o pastor exorta o homem a ligar para o disque-denúncia de abuso infantil e denunciar a si mesmo. Então, o agressor começa a se proteger: “Isso não destruirá a minha família? Isso não me custará o meu trabalho? Isso não destruirá a minha reputação?”. O homem se recusa e sai do escritório. Duas semanas depois, toda a sua família muda de estado para um local desconhecido.

O que o pastor deve fazer? Muitas vezes, o pastor não faz nada, ainda que muitos estados tenham leis de denúncia de abuso sexual que exijam que clérigos denunciem este tipo de abuso mesmo quando a prerrogativa de pastor-confessor tenha sido invocada. Da mesma forma, a liderança da igreja não faz nada, argumentando que a família fugiu para outro estado, além do alcance da sua antiga congregação. E o resultado é que um abusador sexual se livra do seu pecado e crime e continuará a cometer esse pecado até que finalmente seja pego pelas autoridades.

Pense na criança envolvida, o que a igreja está dizendo em relação a ela neste caso? Pense sobre a esposa e os outros filhos; no próprio homem e em sua alma imortal; na nova comunidade para a qual ele se mudou com sua família, o que a igreja está dizendo em relação a esses envolvidos? Pense na igreja e no evangelho, o que a igreja está dizendo no que diz respeito a estes?

Em cada caso em que a igreja não enfrenta o pecado, e especialmente os pecados sexuais disruptivos, estamos dizendo algo muito simples: amamos a nós mesmos, nosso conforto e nossa reputação mais do que a Deus, o evangelho e os outros. Isso é o que acontece quando não vemos mal algum.

É claro que existem inúmeras outras situações em que nossas igrejas e nossa liderança relevam o mal:

• Quando o eminente apoiador financeiro deixa a sua mulher por outra e a igreja não lhe disciplina, permitindo que ele “renuncie” à sua membresia;

• Quando o cardiologista ameaça sua esposa com uma arma, depois diz que “estava apenas brincando”, e não sofre nenhuma consequência;

• Quando a mãe de meia-idade, tendo três filhos, decide deixar seu marido, sua casa e sua igreja simplesmente porque ela não está feliz e ninguém entra em contato com ela.

Em cada uma dessas formas e em inúmeras outras, quando a igreja não consegue lidar com os indivíduos com disciplina formativa, corretiva, graciosa e amorosa, provocamos dano espiritual e realmente traímos o evangelho.

Então, o que faremos sobre isso? Como nossas igrejas podem brilhar como luzes no meio de situações reconhecidamente difíceis, complexas e confusas? Como passamos de ser pessoas que não veem mal algum e amam nosso próprio conforto a pessoas que amam a Cristo e seu povo, independentemente do custo para nós?

Planeje com antecedência

As igrejas muitas vezes não fazem a coisa certa — tanto eclesiástica quanto civilmente — porque não pensaram com antecedência em como proceder em situações específicas. Não podemos esperar até que o cenário de pesadelo ocorra. Se o fizermos, teremos certeza de lidar com isso da forma inadequada. Antes, precisamos antecipadamente ter procedimentos claros e escritos a serem seguidos.

Para as igrejas presbiterianas, há um sentido em que isso já foi determinado para nós. Na igreja Presbiteriana na América, por exemplo, temos o livro de ordem da igreja, que estabelece um processo disciplinar. Para as igrejas independentes que não têm regras de disciplina denominacional é necessário que haja um processo claro e escrito de disciplina eclesiástica. Independentemente do contexto denominacional, como líderes eclesiásticos, devemos estar determinados a seguir o processo — não importa quem esteja envolvido (Mateus 18.15-20; 1Timóteo 5.21).

Entretanto, devemos admitir que talvez precisemos de outros protocolos para ajudar a orientar respostas a situações específicas. Por exemplo, quando há suspeita ou confirmação de abuso infantil, os líderes da igreja precisam ter e seguir diretrizes específicas para denunciar o caso às autoridades civis competentes. Para desenvolver tais protocolos, será necessário trabalhar com um advogado local para garantir que a igreja cumpra as leis estaduais de denúncia. Ter esse protocolo escrito retira os achismos da denúncia. Em muitos estados, a exigência é que os líderes eclesiásticos relatem o assunto assim que ele é descoberto, e então permitam que as autoridades competentes investiguem e determinem se um crime foi cometido. Cooperar com o estado nestas questões é apropriado e bíblico (Romanos 13.1-7).

Seja firme, mas amável

O apóstolo Paulo nos exorta a restaurar os pecadores com brandura (Gálatas 6.1). Tal mansidão não é oposta à firmeza e à determinação; pelo contrário, isso decorre de reconhecer que nós também somos pecadores. Esse reconhecimento deve nos preservar de uma justiça própria jactanciosa ou de uma ira arrogante. Esteja certo de que com pecados como o abuso infantil, há uma ira justa que é apropriada contra o pecado e seus efeitos a longo prazo. Ainda assim, é a bondade de Deus que leva ao arrependimento (Romanos 2.4). Mesmo enquanto tratamos amável e firmemente com aqueles que cometem o crime, estamos buscando o seu arrependimento e restauração final.

Porém, muitas vezes falhamos em demonstrar compaixão similar para com as vítimas. As igrejas regularmente noticiam falhar ao lidar com compaixão com as mulheres que se divorciam dos seus maridos que são flagrados vendo pornografia infantil; ou relevarem quando casos de abuso infantil são descobertos. Outras igrejas confessam que se recusam a defender as mulheres que são fisicamente maltratadas por seus maridos ou que as crianças que são abusadas sexualmente por seus pais passam despercebidas. Onde está a compaixão por essas vítimas? Como igrejas, devemos ser determinados a demonstrar compaixão àqueles contra quem o pecado foi cometido por sermos determinados a fazer com eles como desejamos que os outros façam conosco (Mateus 7.12).

Lidere e se envolva com o evangelho

Tanto o autor quanto a vítima do pecado precisam da mesma coisa: o evangelho de Jesus. Aqueles que cometem pecados sexuais — seja imoralidade sexual, adultério ou mesmo abuso sexual — precisam ouvir o evangelho. A suma da disciplina é confrontar o pecador com as demandas de Cristo, exigir o arrependimento, mas também buscar novos padrões de obediência que só podem ocorrer quando o pecador corre diariamente para Cristo.

Muitas vezes, aqueles que cometem pecados complicados e hediondos acreditam que seus pecados são muito grandes para que sejam perdoados. Eles precisam ser lembrados de que “não há pecado tão grande, que possa trazer condenação àqueles que verdadeiramente se arrependem” (Confissão de Fé de Westminster 15.4). Tal arrependimento genuíno provém da “apreensão da misericórdia [de Deus] em Cristo para com aqueles que se arrependem” (CFW 15.2). Quão grande é a misericórdia de Deus em Cristo? Tão grande que ele enviou seu Filho unigênito para morrer pelos pecadores, e que essa morte é suficiente para perdoar todos os nossos pecados, mesmo os mais hediondos.

As vítimas também precisam do evangelho de Jesus: que Jesus é um Salvador que não esmaga a cana quebrada ou apaga a torcida que fumega (Mateus 12.20); que ele se identifica com o ferido e quebrantado e concede liberdade aos oprimidos pelo pecado (Lucas 4.17-21); e que Ele também perguntou “por quê?”, quando a dor e o desamparo de Deus foram esmagadores (Mateus 27.46).

Mas as vítimas do pecado também precisam saber que Jesus faz mais do que se identificar conosco em nossas dores, ele realmente fez algo sobre isso. Através da sua ressurreição, ele é capaz de dar nova vida e nova esperança no presente e no futuro. Há poder para prosseguir em meio a dor que eles conhecem. Além disso, o evangelho nos fornece a base para o perdão, sabendo que nós também cometemos pecados hediondos contra Deus (Efésios 4.32).

Esteja preparado para um longo caminho

Essa é realmente a coisa mais difícil de todas. Como líderes no ministério, gostamos de acreditar que quando intervimos, trabalhamos em um processo disciplinar e nos envolvemos com o evangelho, nós “consertamos” a situação. Mas isso não funciona assim. Especialmente em situações em que há uma denúncia significativa — como em um relacionamento adúltero de longo prazo, divórcio ou abuso sexual — pode levar meses e anos de aplicação do evangelho para que vejamos cura e esperança.

Tais situações geralmente envolvem apoio financeiro (se o criminoso arrependido perde o seu emprego, se houver um divórcio), aconselhamento ou terapia de longo prazo (que podem ou não ser cobertos pelo seguro) ou reuniões contínuas e regulares de prestação de contas. Essas coisas custam tempo, esforço e energia emocional aos pastores e líderes no ministério.

E, ainda assim, Deus, por meio do seu Espírito, não apenas nos sustenta para amar dessas maneiras, mas também nos aponta para o objetivo final de tudo: “[Cristo,] o qual nós anunciamos, advertindo a todo homem e ensinando a todo homem em toda a sabedoria, a fim de que apresentemos todo homem perfeito em Cristo” (Colossenses 1.28). Ver pecadores recuperados, vítimas restauradas e os dois em caminho seguro para o céu — o que mais um pastor ou uma igreja desejariam?

 

Tradução: Camila Rebeca Teixeira

Revisão: William Teixeira

Original: Ministering to the Abused and the Abusers

Hits: 1391


O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

Receba nossas Notificações



Sean Michael Lucas
Autor Sean Michael Lucas

Dr. Sean Michael Lucas é pastor titular da First Presbyterian Church (PCA) em Hattiesburg, Mississippi, EUA. É autor de God’s Grand Design: The...



Ministério Ligonier
Parceiro Ministério Ligonier

O ministério Ligonier, fundado pelo pastor R.C. Sproul, tem como objetivo principal apresentar fielmente a verdade das Escrituras, através de cursos,...

Produtos Relacionados