• Envie para um amigo

    Favor Preencher
    Favor Preencher
    Insira um Email Válido
Artigo

Conversão e a ordem da salvação (Ordo Salutis)

Brad Wheeler 16 de Janeiro de 2017 - Salvação

“Deus ajuda aqueles que se ajudam”. Você lembra a primeira vez que ouviu esse “truísmo”? Eu ouvi isso pela primeira vez em uma igreja!

Por que eu me lembro do sermão, eu não posso dizer, mas eu me lembro de estar ali, como um jovem cristão, ouvindo aquelas palavras saírem exatamente da boca do pastor. Não foi oferecida nenhuma prova, nenhum texto bíblico foi citado. A verdade parecia auto-evidente. E eu não deveria estar sozinho. De acordo com George Barna, 68% dos cristãos nascidos de novo concordam com essa afirmação e 75% dos americanos de uma forma geral. [1]

Eu sempre suspeitei dessas pesquisas “cristãs”, então eu decidi conduzir minha própria pesquisa no trabalho. Eu perguntei a dez pessoas, cinco homens e cinco mulheres, todos que se afirmavam como cristãos, se eles concordavam com essa declaração. Os resultados? Oito de 10 —isso são 80% (para os que têm dificuldade com matemática) — concordaram com a declaração!

Desses oito, quatro são evangélicos professos, três deles vão a igrejas batistas da convenção do Sul enquanto o outro frequenta outra igreja cristã. Dos quatro restantes que concordaram, mas que não se denominavam “evangélicos”, dois professam serem Católicos Romanos, um é Metodista e o outro é não denominacional. Os dois que discordaram? Um batista reformado (nenhuma surpresa aqui) e um evangélico episcopal.

O que isso significa é que quatro dos seis (67%) evangélicos concordaram com a declaração (comparado aos 68% de Barna). Como um Batista da Convenção do Sul, eu tristemente observei que todos os meus amigos de denominação concordaram. Uma delas, inclusive, é esposa de alguém que está no ministério.  Talvez Barna esteja certo no final das contas.

SOLA ESFORÇUS

De onde vem essa ideia? Ela não vem da Bíblia[2], vem do livro de Benjamin Franklin, Poor Richard’s Almanac. Franklin e seus contemporâneos fizeram uma adaptação da fábula de Esopo: Hércules e o carroceiro (6º século a.C.). Na história, a pesada carga do carroceiro fica atolada na lama. Em desespero, o carroceiro clama a Hércules por ajuda. Hércules responde: “Levante-se e ponha a mão na roda. Os deuses ajudam aqueles que se ajudam”[3]. É bem irônico que uma fábula politeísta que apele à mitologia grega tenha entrado naquilo que os cristãos pensam que está nas páginas da Escritura.

Qual a significância de tudo isso? Isso revela como a maioria dos cristãos entende seu relacionamento com Deus. Parafraseando: “Se eu colocar minha mão na roda, então Deus vai me ajudar”. Meu professor de pregação costumava chamar isso de teologia do sola esforçus. Eu primeiro me movimento para reformar a minha vida, então Deus irá – e talvez seja obrigado a – responder e cooperar comigo. Isso significa que nosso relacionamento com Deus é tanto condicional quanto sinergísitico.

Como cristãos que estão considerando o tópico da conversão, nós poderíamos perguntar: Essa seria uma forma de apelo aos não cristãos? “Coloque sua mão na roda da salvação, então Deus virá lhe ajudar”? Nós os convocamos para o auto-esforço, em que “não há estrada para os deuses, exceto pelo caminho da atividade humana”?[4]

Qual é, exatamente, o nosso papel e nossa responsabilidade e qual é o papel de Deus e a responsabilidade dele no processo da conversão?

A ORDO SALUTIS DEFINIDA

Os protestantes têm historicamente considerado sobre essa questão da ordo salutis (termo em Latim para “ordem da salvação”). A ordo salutis “descreve o processo pelo qual a obra da salvação trabalhada em Cristo é subjetivamente realizada no coração e na vida dos pecadores. Ela tem como alvo descrever a ordem lógica bem como as relações dos vários movimentos do Espírito Santo na aplicação da obra da redenção”[5]. Ela simplesmente busca responder aquelas perguntas que guiaram Martinho Lutero e a Reforma Protestante. Isto é, como eu encontro um Deus gracioso e como eu obtenho os benefícios da graça adquiridos por Cristo?

Os estudiosos da Bíblia apontam para passagens como Romanos 8.30 “E aos que predestinou, a esses também chamou; e aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou” como uma evidência bíblica[6]. A ordo recebeu um tratamento extensivo pelos Escolásticos Protestantes.

Alguns estudiosos hoje evitam toda a discussão, temendo que ele torne a salvação em um processo mecânico mais parecido com a filosofia de Aristóteles do que com o testemunho bíblico. Embora essa crítica tenha algum mérito, a ordo salutis ainda é útil hoje. Pode-se simplesmente manter na mente que a salvação é um processo unitário intimamente conectado com a nossa união com Cristo. “Regeneração, fé, conversão, renovação, etc., de qualquer forma, não denotam aqui componentes consecutivos na estrada da salvação, mas resumem em uma única palavra toda a transformação que acontece nos homens”[7]. Todos os benefícios são dados aos eleitos ao mesmo tempo. A ênfase não é primariamente cronológica, mas lógica e causal.

A ORDO SALUTIS E A ANTROPOLOGIA

O estado da condição humana é algo crítico para a ordo salutis. O antigo axioma apresenta as nossas opções: falando em termos morais, o Pelagianismo diz que o homem está bem, o Semipelagianismo diz que ele está doente, o Agostinianismo diz que ele está morto. Se o homem está moralmente bem ou parcialmente debilitado, então ele pode cooperar com a graça de Deus para salvar a si mesmo (Catolicismo Romano). Mas se o homem está morto em delitos e pecados (cf. Efésios 2.1-3, 12), corrompido e debilitado não em parte, mas completamente, então a ele falta a habilidade de salvar a si mesmo. A salvação não deve ser entendida como sinergística, mas como monergística. Deus somente toma a iniciativa. Ele precisa conceder vida espiritual, substituindo corações de pedra por corações de carne (cf. Ezequiel 36.36). Colocando de forma simples:

todos os homens são concebidos em pecado, nascidos como filhos da ira, indispostos a fazerem qualquer bem para a salvação, propensos para o mal, mortos em pecados, escravos do pecado. E sem a graça do Espírito Santo regenerador eles não querem nem são capazes de retornarem a Deus para corrigirem sua natureza depravada ou se disporem para corrigi-la.[8]

Refletindo sobre a condição humana, Cícero disse: “O homem é um desastre”. No histórico entendimento protestante, a salvação sempre foi uma obra maravilhosa e soberana exclusivamente de Deus e uma graça imerecida (cf. Efésios 2.8-9).

A ORDO SALUTIS COMEÇA COM DEUS 

Dada a arriscada condição do homem, a ordo salutis tem que se originar em Deus. “A causa... não deve ser atribuída à dignidade (ou merecimento) de uma nação sobre outra ou ao melhor uso da luz da natureza; porém à mais boa vontade e ao gracioso amor de Deus” [9]. Ele é a causa eficiente [10]. “Pode, acaso, o etíope mudar a sua pele ou o leopardo, as suas manchas?” (Jeremias 13.23). Obviamente, portanto, “Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer” (João 6.44). Deus inicia a salvação e ele a faz com base em seu amor. Isto é, o amor dele é a causa que move e que impulsiona. É somente à graça, ao favor, à boa vontade e ao “gracioso amor” de Deus em Cristo que nós devemos a nossa salvação [11].

Se Deus é o autor da salvação, o Espírito Santo é o agente da salvação, unindo-nos à pessoa de Cristo e aplicando a sua obra em nós. “A atividade do Espírito Santo é, portanto, nada além de aplicativa. A ordem da redenção é a aplicação da salvação (applicatio salutis)”[12]. Assim como o Filho veio para glorificar o Pai, o Espírito Santo, por sua vez, glorifica o Filho. E ele o faz “até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, à perfeita varonilidade, à medida da estatura da plenitude de Cristo” (Efésios 4.13)[13].

A causa instrumental ou o meio pelo qual nós conhecemos a salvação é o evangelho, a Palavra de Deus. A salvação vem da Palavra. Embora a revelação natural nos ensine sobre Deus, ela somente é insuficiente para uma fé salvadora (cf. Romanos 1-3). Nós temos que encontrar pessoalmente a Cristo através de sua Palavra (revelação especial) e colocar nossa confiança nas promessas objetivas do evangelho (cf. Romanos 10.14-17).

A ORDO SALUTIS É FUNDAMENTADA NA ELEIÇÃO DESDE A ETERNIDADE PASSADA[14]

Qualquer discussão da ordo salutis deve lidar primeiro com o tópico da eleição. Eleição é um termo bíblico, então a questão não é se “acreditamos na eleição”, mas o que a Bíblia quer dizer com esse termo. Primeiro, a esmagadora evidência é que Deus “elegeu” ou “escolheu” um povo para si. Isso é visto no Antigo Testamento: “Eis que os céus e os céus dos céus são do SENHOR, teu Deus, a terra e tudo o que nela há. Tão-somente o SENHOR se afeiçoou a teus pais para os amar; a vós outros, descendentes deles, escolheu de todos os povos, como hoje se vê” (Deuteronômio 10.14-15; cf. Salmo 32.12). O fato de Deus eleger pessoas é algo claramente ensinado por Jesus no Novo Testamento: “Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros e vos designei para que vades e deis fruto” (João 15.16; cf. Lucas 18.6-8).

Segundo, Deus ter eleito indivíduos foi algo que ocorreu antes da fundação do mundo. “Assim como nos escolheu, nele, antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor nos predestinou para ele, para a adoção de filhos, por meio de Jesus Cristo, segundo o beneplácito de sua vontade, para louvor da glória de sua graça” (Efésios 1.4-6).

Isso, então, leva à pergunta que continua a dividir alguns círculos protestantes – isto é, a eleição de Deus é condicional ou incondicional? Deus analisa os corredores do tempo e nos elege com base em nossa fé prevista (condicional) ou nossa eleição é incondicional e concedida a nós à parte de qualquer fé ou bondade previstas em nós?  Na primeira opção, arrependimento e fé (i.e. conversão) são frutos da vontade humana (talvez com uma ajuda da graça preveniente) que levará a nossa eleição. Nesse sistema, a eleição do povo de Deus, no final das contas, está centrada no que o indivíduo faz, e não no que Deus faz. Deus torna a salvação possível para todos os homens, mas, na verdade, não garantiu nem assegurou a salvação de nenhum homem. No sistema incondicional, Deus toma a iniciativa de nos eleger e de nos declarar dele. À parte disso, não há esperança.

A evidência bíblica apoia a eleição incondicional. Quem é Israel no Antigo Testamento? O povo que o Senhor “escolheu, para que lhe fosses o seu povo próprio, de todos os povos que há sobre a terra” (Deuteronômio 7.6). Deus singularmente e especificamente escolheu Israel entre todas as outras nações para ser sua valiosa possessão. Por quê? Isso foi condicionado com base na fidelidade, bondade ou força de Israel? Os próximos versículos dão a resposta: “Não vos teve o SENHOR afeição, nem vos escolheu porque fôsseis mais numerosos do que qualquer povo, pois éreis o menor de todos os povos, mas porque o SENHOR vos amava” (Deuteronômio 7.7-8ss).  A razão dada para o abençoado relacionamento de Israel com Deus é... Deus. Ele escolheu amar esse povo. Ele escolheu colocar suas afeições sobre Israel “acima de todos os povos” a despeito da sua fraca e desmerecedora condição (cf. Deuteronômio 10.14).

No Novo Testamento, Jesus diz: “Não fostes vós que me escolhestes a mim; pelo contrário, eu vos escolhi a vós outros” (João 15.16). Nós amamos porque ele nos amou primeiro (1João 4.19). Diferente do amor de Deus que depende do valor do objeto, a escolha de Deus não foi baseada em qualquer fé ou bondade em nós, os objetos do seu amor.  Por que Jacó foi escolhido, e não Esaú? Paulo escreve: “E ainda não eram os gêmeos nascidos, nem tinham praticado o bem ou o mal (para que o propósito de Deus, quanto à eleição, prevalecesse, não por obras, mas por aquele que chama)” (Romanos 9.11). E se houver sobrado alguma dúvida sobre a natureza incondicional da eleição, nós vemos Deus falando: "Terei misericórdia de quem me aprouver ter misericórdia e compadecer-me-ei de quem me aprouver ter compaixão. Assim, pois, não depende de quem quer ou de quem corre, mas de usar Deus a sua misericórdia” (vv. 9.15-16).

A Escritura simplesmente nunca fala da fé como a base ou como a razão para Deus nos escolher. Tudo que sabemos é que suas escolhas, inescrutáveis como geralmente são, funcionam para magnificar sua graça (cf. Romanos 9.18; 2Timóteo 1.8). Entendida corretamente, a eleição incondicional na Escritura nunca leva ao desespero, mas traz encorajamento para o cristão (cf. Romanos 8.28; Efésios 1.11; 2Tessalonicenses 2.13). Ela é um ato esmagadoramente gracioso que destaca a bondade de Deus (Mateus 1.25-30; Efésios 1.3-11). A justiça requer que todos morram, mas, pela sua misericórdia, ele escolheu fazer pelos homens o que ele não fez pelos anjos rebeldes – eleger e redimir alguns para a vida eterna. Em suma, a eleição é incondicional, graciosa e firmada na eternidade passada. Ela é o fundamento a partir do qual nós podemos discutir a obra da redenção na vida dos homens.

A ORDO SALUTIS E A APLICAÇÃO DA REDENÇÃO

Chamado

Logicamente, a aplicação da obra redentora de Cristo começa com o chamado. Isso é primeiramente apresentado através do chamado do evangelho, que é “a oferta da salvação em Cristo às pessoas juntamente com um convite para que aceitem a Cristo em arrependimento e fé, a fim de que possam receber o perdão dos pecados e a vida eterna”[15]. O chamado do evangelho é um chamado geral ou universal, pois ele é feito de forma igual para todos. “Ora, não levou Deus em conta os tempos da ignorância; agora, porém, notifica aos homens que todos, em toda parte, se arrependam” (Atos 17.30; cf. Mateus 22.1-14). É também um genuíno chamado seriamente oferecido por Deus. Jesus chora e geme de forma sincera pela obstinada rejeição de Jerusalém e pela recusa da mensagem dele (Mateus 23.37). Deus verdadeiramente deseja que todos cheguem ao arrependimento (2Pedro 3.9) para que possam receber descanso (Mateus 11.28; cf. João 1.11-12; Apocalipse 3.20).

Isso, porém, levanta a pergunta espinhosa: por que alguns creem e outros não? “Eis, aqui está o obstáculo”, Hamlet diria. Os sistemas sinergísticos ensinam ou que os indivíduos são inerentemente capazes de produzir uma fé inicial (visão católica romana) à qual Deus necessariamente responde em graça ou que Deus providencia a todas as pessoas uma graça capacitadora ou preveniente (visão arminiana/wesleyana) que supera os efeitos da queda. Dotados com essa graça preveniente, alguns então escolhem responder em fé. Em outras palavras, a graça preveniente é uma graça suficiente que somente se torna eficiente quando o pecador coopera com ela. Poderíamos dizer que a graça preveniente, na verdade, não é nada mais do que a “democratização da graça salvadora”[16]. Tanto no sistema católico romano como no sistema arminiano, o poder para crer ou para não crer está baseado, no final das contas, no indivíduo.

O monergismo vê na eleição que Deus faz de alguns como a explicação do porquê de alguns crerem e outros não. “Porque muitos são chamados, mas poucos, escolhidos” (Mateus 22.14). Na nossa condição humana caída, nós não temos vontade nem somos capazes de aceitar o evangelho, pois “a palavra da cruz é loucura para os que se perdem” (1Coríntios 1.18; cf. Romanos 3; Efésios 2.1-5). Deus, portanto, deve trabalhar eficazmente em nós, fazendo-nos querer crer. Os monergistas, portanto, distinguem entre um chamado do evangelho e um chamado eficaz. No chamado eficaz, o Espírito opera através da Palavra para “confirmar”, “atestar” e “tornar manifesta” a eleição de Deus[17]. Para o monergista, dizer que o chamado de Deus é eficaz condicionalmente ao exercício de fé do homem é “equivalente a dizer que esse é um chamado intrinsecamente ineficaz”[18]. Além disso, na Escritura, o chamado de Deus é eficaz sobre o eleito. “Aos que chamou, a esses também justificou; e aos que justificou, a esses também glorificou” (Romanos 8.30). “Ninguém pode vir a mim se o Pai, que me enviou, não o trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia” (João 6.44). Esse é um chamado eficaz para a salvação, o qual nos leva a uma comunhão com Cristo (cf. 1Coríntios 1.9).

O ensino de um chamado eficaz certamente não fica sem oposição. Primeiro, se o chamado de Deus para os eleitos é eficaz e irresistível de modo que todos que são chamados realmente chegam até ele, por que se preocupar com a com a pregação que fazemos do evangelho? Essa é uma objeção comum, mas a Bíblia nos lembra que Deus ordena tanto os meios como os fins. Deus, em suas infinitas sabedoria e bondade ordenou que a mensagem do evangelho, pregada por vozes humanas e acompanhada pelo Espírito, deve ser o instrumento da graça redentora (cf. Romanos 10).

Segundo, alguns perguntam: o ensino do chamado eficaz não sugere que Deus se relacione conosco de uma forma impessoal? Se Deus é a “causa” da nossa salvação e a nossa fé é meramente o subproduto ou “efeito” disso, em que sentido isso é relacional? A teologia do processo e o teísmo aberto, todos levantam essa acusação contra o chamado eficaz. O amor, eles argumentam, não opera por meros princípios de causa e efeito, como uma questão de Deus unilateralmente mudar a inclinação da vontade do homem. O amor precisa ser mútuo, recíproco, e não coercitivo. Deus precisa conseguir o interesse dessas pessoas, não com um poder de causa, mas com o poder do amor e da persuasão. Embora alguns no teísmo clássico tenham sido arrastados para um conceito de Deus impessoal aristotélico de Primeiro Motor, os evangélicos protestantes têm se mantido afastados disso. Deus pode inclinar e determinar a nossa vontade, mas nunca de uma forma que seja incongruente com a natureza humana. Deus “pode e, de fato, os atrai, pela poderosa influência da sua graça sobre eles em direção a ele mesmo e ao seu Filho. E isso ele faz sem forçar a vontade desses homens; ele docemente os motiva, pela sua graça, para que eles cheguem a Cristo e às suas ordenanças; ele os persuade poderosamente”[19]. O teólogo Kevin Vanhoozer, de forma muito útil, lembra-nos que o chamado eficaz de Deus se constitui tanto de energia quanto de informação. Não é um mero ato causal, mas um ato comunicativo. No chamado eficaz, Deus se comunica conosco através de Jesus Cristo, o Verbo de Deus que se fez carne. O chamado eficaz é um ato de fala e é, portanto, profundamente pessoal[20].

Terceiro, alguns argumentam que um chamado eficaz contraria a liberdade humana. Ele é manipulador e coercitivo. O teísta aberto John Sanders chega ao ponto de chamá-lo de um estupro divino, pois Deus força sua vontade sobre o eleito. Contudo, não há nenhum relato bíblico de alguém sendo forçado a aceitar o evangelho contra sua própria vontade. Ninguém é trazido para o reino esperneando e gritando. Não há nada de violento quando os ouvidos do surdo são miraculosamente abertos para que possam ouvir a doce voz do Salvador o chamando pelo nome. Para usar outra metáfora bíblica, Deus graciosamente faz com que os cegos vejam.  Esse seria um ato malicioso e violento? O fato é que aquele que é iluminado é tanto passivo quanto ativo. Tendo sido criado para entender, um indivíduo entende e amavelmente abraça a verdade. Esse abraçar é dificilmente compatível com a noção de estupro divino. Em suma, “a aplicação da salvação é e permanece sendo uma obra do Espírito e, portanto, nunca é coercitiva ou violenta, mas sempre espiritual, amável e gentil, tentando humanos não como blocos de madeira, mas como seres racionais, iluminando, persuadindo, atraindo e inclinando esses homens”.

Regeneração

Ao passo que o chamado, particularmente o chamado eficaz, é uma figura da atividade de recriação de Deus, a regeneração é uma figura de renovação. De muitas formas, elas são metáforas diferentes da mesma obra de unir homens e mulheres que estão mortos para entrarem em um relacionamento vivo com Cristo. A regeneração vai em direção da nossa necessidade de nascermos de novo, de sermos renovados, restaurados. Pois somente tendo nascido de novo, podemos ver o reino de Deus (João 3.3). Não é algo opcional. É, na verdade, a necessidade de todos nós: “importa-vos nascer de novo” (João 3.7). Esse nascimento não é físico, mas um renascimento espiritual profetizado no Antigo Testamento, o qual renova o homem interior diante da lei de Deus (cf. Ezequiel 36).

Assim como nós somos passivos em nosso nascimento físico, também o somos em nosso nascimento espiritual. Em outras palavras, regeneração é uma obra de Deus somente. João diz que os filhos de Deus são aqueles que “não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus” (João 1.13). Semelhantemente, Pedro escreve: “segundo a sua muita misericórdia, nos regenerou para uma viva esperança, mediante a ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos” (1Pedro 1.3). Na regeneração, Deus substitui nossos corações de pedra por corações de carne para que nós, que estávamos espiritualmente mortos, nos tornemos espiritualmente vivos. É óbvio, portanto, que a regeneração tem que preceder a conversão[21].

No Sínodo de Dort, os antigos protestantes belamente sumarizaram a radical, instantânea e sobrenatural obra regeneradora de Deus.

Quando Deus executa sua boa vontade nos eleitos ou opera neles a verdadeira conversão, ele não somente providencia que o evangelho seja proclamado a eles e que suas mentes sejam poderosamente iluminadas pelo Espírito Santo, que eles possam entender corretamente e julgar as coisas do Espírito de Deus, mas ele também, pela eficácia do mesmo Espírito regenerador, penetra nas mais profundas entranhas do homem, abre seu coração fechado, amolece seu coração duro, circuncida seu coração incircunciso, inspira novas qualidades em sua vontade, traz vida àquilo que estava morto... E essa regeneração... uma nova criação... que Deus sem nós (isto é, sem a nossa cooperação) operou em nós... Isso, de forma alguma... fica no poder do homem... regenerado ou não regenerado, convertido ou não convertido; isso, contudo, é uma operação manifestadamente sobrenatural e ao mesmo tempo a operação mais poderosa e a mais doce, maravilhosa, íntima e infalível em seu poder... para que todos aqueles em cujo coração Deus operou de forma admirável sejam infalível e eficazmente regenerados e, de fato, creiam.[22]

Conversão

O resultado da obra regeneradora de Deus é o crer, uma abreviação da conversão, em que o pecador se arrepende do que fez de errado e se volta para Cristo em fé.  Sem a regeneração, a conversão seria impossível. A conversão de Lídia fornece um exemplo que funciona como protótipo. “O Senhor lhe abriu o coração” (regeneração), o resultado sendo que ela creu no evangelho (conversão) e foi, então, batizada (Atos 16.14).

Embora conversão seja distinta de regeneração, a distinção não é tanto cronológica como lógica. Na Escritura, não há uma categoria para alguém que tenha sido regenerado pelo Espírito, mas que, ainda assim, só seja convertido em algum tempo no futuro. As duas ocorrem eficazmente ao mesmo tempo. Contudo, a obra de Deus precede logicamente a nossa resposta a ele em arrependimento e fé. “A relação entre regeneração e, digamos, fé, é como a relação entre ligar o interruptor e encher a sala de luz – duas ações que são simultâneas”[23]. John Gill resumiu isso bem:

A regeneração é um ato exclusivo de Deus; a conversão consiste tanto do ato de Deus sobre os homens, convertendo-os a ele, e de atos feitos por homens sob a influência da graça transformadora; eles mudam, sendo mudados.  A regeneração é o movimento de Deus em direção e sobre o coração de um pecador; conversão é o movimento de um pecador em direção a Deus. Na regeneração, os homens são completamente passivos, mas, através dela, eles se tornam ativos.

Implicações

Primeiro, temos que manter a Palavra como o ponto focal do nosso ministério. Ela é o meio divinamente determinado de salvação. É através da proclamação de sua Palavra, não pelo tamanho de nossos prédios ou orçamentos, que o Espírito se torna ativo. Juntos, a Palavra e o Espírito se unem em uma obra eficaz de salvação. Separar da palavra a obra do Espírito é iniciar a jornada sem rumo em direção ao inclusivismo e à ortodoxia morta.

Segundo, nós temos que ser confiantes em nossa segurança da salvação “porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade” (Filipenses 2.13). O que é mais confortante: confiar nossa salvação somente no poder de nossa escolha, decisão e fidelidade ou confiar essa salvação na obra sacrificial de Cristo graciosamente aplicada a nós pelo Espírito? Os sistemas sinergísticos “fazem tudo se tornar vacilante e incerto — mesmo a vitória do bem e o triunfo do reino de Deus – porque eles penduram tudo na incalculável arbitrariedade dos humanos. Levantando-se pelos direitos da humanidade, eles atropelam os direitos de Deus e pelos humanos esse Deus termina com nenhum direito, exceto ser o de ser inconstante”[26].

Finalmente, nós temos que fazer apelos pessoais! Nós somos os mensageiros da salvação que foram ordenados por Deus. Em nossos apelos, sempre deve haver os três componentes necessários de: apresentação, convite e promessa. Nós temos que ser claros em nossa apresentação (Deus, homem, Cristo). Nós temos que que clamar ousadamente por uma resposta pessoal. E nós temos que honestamente manter a promessa de vida eterna. Na promessa, temos que sempre lembrar que a base para a nossa vida eterna é encontrada na obra de Cristo, não em nossa decisão ou oração. Nossa confiança que sua obra foi aplicada a nós é a evidência de fruto espiritual em nossas vidas (cf. João 15.8; 1João 2.3-6).

Conclusão

Os humanos sempre quiseram ser seus próprios salvadores. Mas o que distingue o cristianismo bíblico de todas as outras religiões do mundo é que o cristianismo não é auto-sotérico. No Islã, a redenção não é um dom, mas um ato. No budismo, a redenção consiste em mortificar o desejo pela existência e "ser sua própria luz". Através de orações, sacrifícios, cerimônias e uma conduta ética correta, o Judaísmo Farisaico e o Catolicismo apresentam esquemas meritórios através dos quais nós alcançamos o favor de Deus.

O Cristianismo não reconhece esses esquemas. A salvação é graça do início ao fim. De acordo com a boa vontade de Deus, com a base da obra de Cristo, com a agência do Espírito Santo e com a instrumentalidade da Palavra, Deus elege, eficazmente chama e regenera. Nós somos ordenados a nos arrepender e a crer, mas isso é tudo em vão se Deus não operar primeiro em nós. Essa é a razão de fé ser inclusive chamada de um dom de Deus (cf. Efésios 2.8).

Deus ajuda aqueles que se ajudam? Se sim, nós somos os mais infelizes de todos os homens. O céu nunca terá parecido tão distante.

 

1 http://www.barna.org/FlexPage.aspx?Page=BarnaUpdate&BarnaUpdateID=66
2 Os fãs de boxe podem lembrar que Evander Holyfield orgulhosamente recorreu à sabedoria bíblica nessa afirmação em uma entrevista depois de ter vencido o ex-campeão peso-pesado Mike Tyson. Ele, na verdade, foi além e disse que Deus não pode lhe ajudar se você ajudar a si mesmo.
3 http://www.bartleby.com/17/1/61.html
4 Bavinck, Herman. Reformed Dogmatics – Vol 3: Sin and Salvation in Christ (Grand Rapids: Baker Academic, 2006), 566-7.
5 Berkhof, Louis. Systematic Theology (Edinburgh: The Banner of Truth Trust, Reprinted 2000), 415-16.
6 Murray, John. Redemption – Accomplished and Applied (Grand Rapids: Eerdmans, 1955), 98-105.
7 Bavinck, 589.
8 Sínodo de Dort, 294.
9 Sínodo de Dort, 296.
10 Contrariamente a Demarest (46), essa certamente não é uma afirmação de hiper-calvinismo, mas um reconhecimento de que se o homem está morto em delitos e pecados, Deus tem primeiro que operar para realizar a nossa salvação.
11 John Gill, A Body of Doctrinal Divinity, The Baptist Faith Series, Vol. 1 (Paris: The Baptist Standard Bearer, Reprint, 1839), 551.
12 Bavinck, 572.
13 Bavinck, 572.
14 As seções seguintes devo ao meu antigo professor de teologia, Dr. Stephen Wellum. Minha estrutura foi informada através de sua obra, que é, em si mesma, uma reflexão de pensadores protestantes através dos séculos passados.
15 Hoekema, 68.
16 Kevin J. Vanhoozer. First Theology: God, Scripture & Hermeneutics (Downers Grove: IVP Academic, 2002), 103.
17 John Calvin, Institutes of the Christian Religion, 1559 Edition, ed, by John T. McNeill, trans. by Ford Lewis Battles, Vol. 2 (Philadelphia: The Westminster Press, 1960), 932-47.
18 Vanhoozer, 104.
19 Gill, 550.
20 Para uma discussão minuciosa e esclarecedora, veja Vanhoozer, “Effectual Call or Causal Effect?” em First Theology, 96-124.
21 Veja também:  Tom Schreiner “Does Regeneration Necessarily Precede Conversion?” Acessado no site do 9Marks em: https://9marks.org/article/does-regeneration-necessarily-precede-conversion/.
22 Sínodo de Dort, 299-300.
23 Hoekema, Anthony. Saved by Grace (Grand Rapids, Wm. B. Eerdmans Publishing Co., 1994), 14.
24 Gill, 546.
25 Note Filipenses 2.12 “desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor” que segue o indicativo da união deles com Cristo e com o Espírito (2.1). Mas, mesmo ali, no v. 13, Paulo prossegue para basear o imperativo ao dizer: “porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade”.
26 Bavinck, 573.

Hits: 6255


O leitor tem permissão para divulgar e distribuir esse texto, desde que não altere seu formato, conteúdo e / ou tradução e que informe os créditos tanto de autoria, como de tradução e copyright. Em caso de dúvidas, faça contato com a Editora Fiel.

Receba nossas Notificações



Brad Wheeler
Autor Brad Wheeler

Brad Wheeler é pastor auxiliar na Capitol Hill Baptist Church em Washington, D.C., EUA.



9Marks
Parceiro 9Marks

O Ministério 9Marks tem como objetivo encorajar as igrejas e seus líderes a cultivarem um ministério saudável, através da...

Produtos Relacionados

Não há produto relacionado